Reading:
Qual a diferença entre ética e moral?

Qual a diferença entre ética e moral?

Mônica Santos
16 de maio de 2017

Ética e moral são dois fundamentos que garantem a boa convivência em sociedade. Mas, afinal, qual é a diferença entre os dois?
No contexto filosófico, ética e moral possuem diferentes significados. A ética está associada ao estudo dos valores morais que orientam o comportamento humano em sociedade, enquanto a moral são os costumes, regras, tabus e convenções estabelecidas por cada sociedade.
Na terminologia, a palavra “ética” vem do grego ethos. Em sua etimologia, ethos significa literalmente morada, habitat, refúgio. O lugar onde as pessoas habitam. E palavra “moral” deriva do latim mores, que significa “costume”. Aquilo que se consolidou ou se cristalizou como sendo verdadeiro do ponto de vista da ação.
Conceitualmente, a ética pode ser entendida como uma postura diante da vida, uma forma de se relacionar uns com os outros buscando atender as necessidades dos envolvidos com valores compartilhados. A moral, por sua vez é constituída pelos valores previamente determinados como aceitos e moldam o que se entende por responsabilidade e respeito.
O código de ética de uma empresa, na verdade, são regras de moral e conduta que buscam criar uma cultura ética e que atenda o bem comum.
Enquanto a moral é convenção, a ética é reflexão.
O que é um comportamento moral ou imoral? 
Para existir um comportamento ético , é preciso ter o livre arbítrio para escolher. Mesmo quando existe uma convenção moral que aceite um determinado comportamento, por exemplo, cortar a mão de um ladrão, a ética leva à uma reflexão do que seria justo ou se essa punição garantiria o bem de todos. Dessa forma, a ética questiona a moral.
Ética e moral são construções simbólicas e culturais e são ensinadas com exemplos no dia-a-dia. Esses conceitos são internalizados com o tempo em um longo processo de sutilezas que, sem perceber, começam a fazer parte do sistema em que a pessoa faz parte e da própria experiência de vida.
Como a moral depende da cultura e de como ela determina o que é aceito ou não, certas atitudes são consideradas imorais ou morais (como mostrar os seios ou arrotar na mesa do jantar), dependendo do contexto, local e envolvidos.
Além das influências e do aprendizado externo, o ser humano cria, inconscientemente, vários mecanismos de defesa para se convencer do que é certo ou errado, bom ou mau, justo ou injusto.  Por isso é que é possível ter uma atitude moral sem ser ética.
Até os mais difamados, marginalizados  e julgados assassinos, ladrões e traficantes têm suas regras morais e os seus códigos de conduta. Infelizmente, temos presenciado os mais letrados e considerados responsáveis pelo bem comum também serem condenados por quebrar tais códigos. A corrupção é um dos crimes mais hediondos que existe. Silenciosa, mata e faz sofrer em larga escala. Por outro lado, existem os comportamentos que não são ilegais, mas são imorais, como furar a fila, parar na vaga de deficiente, jogar lixo no chão, fofocar, entre muitos outros. Quem assiste a esses atos sabe que, dentro da sua consciência, não é certo, não é justo. Esse incômodo interno gera um peso para quem tem uma base moral herdada  e construída.
Como ter um comportamento mais ético?
Por mais que se diga que ética e moral vêm de berço, já se tem provado que podem ser aprendidas e desenvolvidas fora de casa.  É um processo interno que precisa de consciência e escolha. Investir em autoconhecimento e desenvolvimento pessoal e relacional é um caminho para relações mais saudáveis.
Esse processo precisa acontecer de dentro para fora, e se solidifica, quando sozinho e sem a menor possibilidade de ser flagrado a pessoa faz o que é certo, porque é certo, e não porque é obrigado. A obrigação só garante o ato perante supervisão. Não se sustenta sozinho. Nada adianta ter Bíblia, constituição ou código de ética, manual de conduta, se internamente a pessoa não escolhe o certo e combinado.
O viver em comunidade exige a reflexão do como conviver e a ética, junto com seus valores compartilhados, é a bússola interna para que isso aconteça.



0 Comments

Deixe uma resposta

Related Stories

25 de novembro de 2016

Intraempreendedorismo: saiba o que é e por que incentivá-lo

15 de junho de 2020

O que é ser antifrágil e como não cair nas armadilhas rumo a anti-fragilidade

Arrow-up